Brasil só será polo de investimento se pacificar recuperação judicial, diz juiz

Diferenciais

A busca constante pela excelência, celeridade e transparência em sua atuação são marcas indeléveis das atividades da F. Rezende Consultoria como Administradora Judicial.

O Brasil só será um polo de investimento internacional quando pacificar a jurisprudência sobre recuperações judiciais de empresas. Quem afirma isso é o juiz Daniel Carnio Costa, titular da 1ª Vara de Falência e Recuperação Judicial da Comarca de São Paulo.

O julgador afirma que menos de 10% das empresas que pedem recuperação judicial conseguem se recuperar. Para ele, o grande problema é a falta de especialização de quem aplica a lei. “Tem que ser como nos Estados Unidos, onde todo processo de recuperação judicial é julgado por um juiz especializado no tema”, disse Carnio Costa, em evento promovido Centro de Estudos de Direito Econômico e Social (Cedes) na última semana.

Em um processo de recuperação, o juiz não busca atender os interesses dos credores ou do devedor: o objetivo é sempre tomar a decisão que seja de maior interesse par a sociedade. Ou seja, avaliar se a empresa emprega muitas pessoas, paga tributos e de fato produz.

Carnio Costa afirma que desde 2011 já indeferiu de pronto 30% dos pedidos de recuperação judicial por ver que a empresa não atende a nenhum interesse da sociedade. “Se não fizermos a recuperação judicial, a empresas vão deixar de usá-la e buscar outras soluções”, ponderou o juiz.

Fernando Martines é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 20 de setembro de 2016, 7h24

https://www.conjur.com.br/2016-set-20/pacificar-recuperacao-judicial-atraira-investidores-juiz?imprimir=1

 

Você pode usar as seguintes tags HTML em seu comentário: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>